A personalização na fase lútea pautou palestra de Human Fatemi

O Doutor em Endocrinologia Human Fatemi apresentou a palestra “Personalize luteal fase support after agonist triggering” na manhã desta quinta-feira, no CBRA 2019.

Fatemi levantou a seguinte discussão em sua fala: em qualquer lugar do mundo é abordada a necessidade de personalização do tratamento da paciente, mas será que isso realmente é feito?

Especificamente com relação à fase lútea a segunda fase do seu ciclo, após a ovulação e antes do período menstrual –, existe um consenso geral sobre a necessidade da aplicação de progesterona, mas também a necessidade de definir quais as quantidades a serem aplicadas caso a caso, por quanto tempo deve ser administrada, bem como as formas de aplicação, visto que trata-se de um hormônio que tem impacto, entre outros, nas contrações do útero.

“É preciso entender que a grande causa do defeito na fase lútea somos nós, porque induzimos a um desenvolvimento multifolicular. A estimulação gera muitos folículos e altos níveis de esteroides que trazem feedbacks negativos”, disse Fatemi.

O especialista comentou que a forma de aplicação da progesterona depende de qual parte do mundo o profissional trabalha. “Nos Estados Unidos, por exemplo, a eleita é a intramuscular, que leva a um processo muito doloroso, com lesões na paciente e a possibilidade de reações anafiláticas”, disse, lembrando, ainda, que existem opções subcutânea, oral e vaginal, mas que devem ser selecionadas após a análise de variáveis e de acordo com o histórico da paciente em tratamento. #cbra2019

Organização: MarkMesse

Conteúdo: Básica Comunicações

Fotos: Eneas Gomez