Aspectos da transferência embrionária guiada por ultrassom transvaginal ou abdominal

 

 

(Raul Eid Nakano)

(Paulo Gallo de Sá)

O método de ultrassonografia utilizado em transferências embrionárias foi pauta de um painel realizado na tarde desta quinta-feira no CBRA 2019. Especialistas em reprodução humana, os doutores Raul Eid Nakano e Paulo Gallo de Sá debateram as vantagens dos procedimentos guiados por ultrassom abdominal e transvaginal.

Segundo o dr. Raul Nakano, o método transvaginal apresenta maiores benefícios para as pacientes. “Há redução do desconforto durante a transferência e diminuição da ansiedade pré-fertilização. Especialmente em pacientes obesas ou com sobrepeso, observa-se que esse método também permite melhor visualização do útero”, comentou.  De acordo com os estudos analisados pelo dr. Paulo Gallo de Sá, a transferência guiada por ultrassonografia abdominal é favorece o trabalho do médico. “O método abdominal facilita a passagem do cateter, com melhor visibilidade durante o procedimento. Além disso, é mais rápido, leva cerca de 84 segundos, contra 154 segundos do transvaginal”, disse.

Em relação aos resultados obtidos com os tipos diferentes de ultrassonografia, os dois especialistas concordam que não há grandes diferenças. “As taxas de gravidez e de nascimentos vivos são as mesmas. A escolha do método ultrassonográfico depende, portanto, da análise de outros fatores relacionados à transferência, como condições uterinas, peso da paciente e experiência técnica do profissional. Esses fatores podem influenciar positivamente os resultados”, concluíram. #cbra2019

 

Organização: MarkMesse

Conteúdo: Básica Comunicações

Fotos: Eneas Gomez